quarta-feira, 31 de julho de 2013

Feitiço contra feiticeiros no STF. Retomada do mensalão. Alguns ministros admitem que estão ‘arrependidos de seus votos’, pois falhas apontadas pelos advogados de defesa fazem sentido. Mas estão com medo do desgaste com a opinião pública.

"Na verdade estamos assistindo ao processo em que o feitiço se volta contra o feiticeiro. E aí é preciso perguntar pelo papel daquelas instituições responsáveis pela comunicação entre os poderes públicos e a sociedade – os jornais, revistas, a TV. 
O tratamento parcial dos meios de comunicação, que jamais se deram ao trabalho de fazer um exame isento de provas e argumentos da acusação e da defesa, ajudou a criar um clima de agressividade e intolerância contra toda dissidência e toda pergunta inconveniente."


Feitiço contra feiticeiros no STF
ISTOÉ - Paulo Moreira Leite - 31/07/2013
Após quatro meses de espetáculo pela TV, a notícia é que alguns ministros do STF estão com medo de rever seus votos no julgamento do mensalão

Às vésperas da retomada do julgamento da Ação Penal 470, quando o STF irá examinar os recursos dos 25 condenados, o ambiente no tribunal é descrito da seguinte forma por Felipe Recondo e Debora Bergamasco, repórteres do Estado de S. Paulo, com transito entre os ministros:
“(...) há ministros que se mostram ‘arrependidos de seus votos’ por admitirem que algumas falhas apontadas pelos advogados de defesa fazem sentido. O problema (...) é que esses mesmos ministros não veem nenhuma brecha para um recuo neste momento. O dilema entre os que acham que foram duros demais nas sentenças é encontrar um meio termo entre rever parte do voto sem correr o risco de sofrer desgaste com a opinião pública.”
Pois é, meus amigos.

Após quatro meses de espetáculo pela TV, a notícia é que alguns ministros do STF estão com medo. Não sabem como “encontrar um meio termo entre rever parte de seu voto sem correr o risco de sofrer desgaste com a opinião pública.”

Inri Cristo e a polêmica entrevista para UOL. A sensatez de um louco; reflexões sobre a vinda do Papa: sobre o uso de dinheiro público - R$ 118 milhões - para receber um "artista argentino", a via-crucis organizada pela Rede Globo de televisão, o "embuste da infalibilidade papal".

"Depois, perguntado sobre a via-crucis organizada pela Rede Globo de televisão, Inri foi mais enfático:
Agora que as vozes da rua estão clamando que a Rede Globo cumpra seu dever de informar, é natural que ela promova essa teatral sessão de sadomasoquismo. Isso já não me atinge, afinal de contas estou acostumado a ver repetirem constantemente as cenas de achincalhe, deboche e violência que os inimigos perpetraram há dois mil anos a mando de Pilatos. E eu vos digo em verdade: esses que se comprazem em participar da via-crúcis são os mesmos que teriam vociferado “Crucifique! Crucifique!”. São os mórbidos de plantão."

Inri Cristo – A sensatez de um louco; reflexões sobre a vinda do Papa
Causas Perdidas - 28/07/2013Por Gabriel Barbosa Rossi e Luiz Antonio Ribeiro

Inri Cristo deu uma polêmica e genial entrevista para o site Uol a respeito da vinda do Papa para o Brasil. Começamos, a partir disso, a pensar sobre essa estranhíssima figura brasileira, que se autoproclama a reencarnação de Jesus.

Independente de qualquer coisa, o que assusta na questão não está na figura dele em si, mas na recepção que suas palavras tem: no Brasil, ninguém o considera um louco, um desvairado, alguém que precisa de tratamento, no entanto seu discurso é transformado em piada, em motivo de deboche, em pastiche, como se ele não estivesse na posição de dizer qualquer coisa de valor.

O que me ficou na cabeça é a seguinte questão: e se realmente ouvíssemos o que tem Inri Cristo a dizer? Vamos então a um trecho de sua entrevista. Perguntado sobre o que achava da vinda do Papa ao Brasil, sua resposta foi:

Ele e qualquer outro argentino que vier fazer turismo no Brasil, seja muito bem-vindo. Daí ao erário público bancar as despesas da vinda dele, já é outra coisa. Agora que se fala tanto em precariedade da saúde, segurança, educação… é uma oportuna ocasião de o povo brasileiro refletir se vale a pena gastar a exorbitante soma de R$ 118 milhões para receber um artista argentino. Se o Dalai Lama, nas vezes em que visitou o Brasil, veio patrocinado por instituições budistas, por que o líder argentino tem de ser diferente? Afinal, o Brasil é ou não um estado laico?
Ora, essa resposta te parece de louco, insensata? Ou não está afinada com o que pensa uma parcela da população que só tem visto na vinda do Papa gastos de dinheiro público, desrespeito à constituição (com metrôs que só podem ser usados por quem está na JMJ, com ruas fechadas por quilômetros, até para moradores)? O que se viu até agora foi enorme festa, uma micareta cristã mundial. E o Papa deixa de fazer o que seria mais importante: trazer novas ideias, um pensamento progressista para a igreja (como os fiéis afirmam que ele tem), e reorientar padres e bispos para afinar igreja e sociedade. Isso tudo bancado por um estado que devia estar investindo na saúde e educação. É…acho que o Inri tem razão.

MPL. Passe Livre, sobre propinoduto tucano: “Vamos às ruas no dia 14 de agosto”. Como os veículos de mídia, que tem tratado o propinoduto como o "quarto segredo de Fátima", irão noticiar os protestos?

"O propinoduto tucano está sendo tratado pela mídia como o quarto segredo de Fátima."
Palmério Dória
Imagem do FACEBOOK. Soldadinho de chumbo

Passe Livre, sobre propinoduto tucano: “Vamos às ruas no dia 14 de agosto”

Revista Forum - Publicado em 30 de julho de 2013 às 7:05 pm  


Movimento Passe Livre calcula que passagem custaria R$ 0,90 se dinheiro supostamente desviado em governos do PSDB fosse aplicado no transporte
Por Igor Carvalho

O Movimento Passe Livre anuncia que no dia 14 de agosto voltará às ruas. O grupo irá realizar uma manifestação em parceria com o Sindicato dos Metroviários de São Paulo, por conta do suposto propinoduto esquematizado nos contratos para as obras do Metrô, que pode ter desviado R$ 400 milhões dos cofres públicos. O caso, ocorrido em gestões do PSDB, foi denunciado pela multinacional Siemens.
“Nossa posição é que é um absurdo que o dinheiro público esteja sendo desviado do transporte. São mais de R$ 400 milhões desviados, isso daria para reduzir a tarifa a R$ 0,90”, afirma Matheus Preis, militante do MPL-SP.

Dilma se expressa mal ou é Dora Kramer que pensa torto? Comete-se aí um engano clássico: confundir simplicidade – vital quando você se dirige a uma grande quantidade de pessoas — com pobreza de expressão.

"Não há nada mais fácil do que escrever de maneira que ninguém entenda. Em compensação, nada é mais difícil que expressar pensamentos significativos de modo que todos compreendam"(Arthur Schopenhauer)

"Deve-se escrever da mesma maneira como as lavadeiras lá de Alagoas fazem seu ofício. Elas começam com uma primeira lavada, molham a roupa suja na beira da lagoa ou do riacho, torcem o pano, molham-no novamente, voltam a torcer. Colocam o anil, ensaboam e torcem uma, duas vezes.
Depois enxáguam, dão mais uma molhada, agora jogando a água com a mão. Batem o pano na laje ou na pedra limpa, e dão mais uma torcida e mais outra, torcem até não pingar do pano uma só gota.
Somente depois de feito tudo isso é que elas dependuram a roupa lavada na corda ou no varal, para secar. Pois quem se mete a escrever devia fazer a mesma coisa. A palavra não foi feita para enfeitar, brilhar como ouro falso; a palavra foi feita para dizer." (Graciliano Ramos)

Extraído de comentários do post no Diário do Centro do Mundo. 

Link da imagem. 247
Dilma se expressa mal ou é Dora Kramer que pensa torto?
PAULO NOGUEIRA- Diário do Centro do Mundo - 30 DE JULHO DE 2013

Alguns jornalistas parecem preferir o rebuscamento confuso dos magistrados à simplicidade da presidenta.

Uma coluna de Dora Kramer no Estadão afirma que Dilma se expressa mal ao falar e ao escrever.

É uma tese frequentemente levantada por outros jornalistas conservadores. A conexão com Lula é inevitável: também ele falaria mal.

Comete-se aí um engano clássico: confundir simplicidade – vital quando você se dirige a uma grande quantidade de pessoas — com pobreza de expressão.

A ignorância está muito mais em quem faz tal confusão – típica de uma certa classe média que busca ávida palavras rebuscadas – do que em quem fala a linguagem popular.

Você pode trabalhar com a hipótese de que os acusadores sabem do que estou falando, e escrevem críticas muitas vezes infames apenas porque conhecem a natureza embotada do público que os lê.

É uma possibilidade.

Desemprego. Bancos privados, liderados pelo Itaú Unibanco, demitiram 5 mil no 1º semestre. Contratados recebem 36% a menos do que demitidos.

Link da imagem: Protesto em agência do Itaú Unibanco
 conta com a presença de Setubal e Moreira Salles
"Segundo a pesquisa, os bancos múltiplos, com carteira comercial, contrataram 15.173 bancários no primeiro semestre e desligaram 20.230 – 4.890 a menos. Entre os principais bancos, a Caixa Econômica Federal é o único que apresenta saldo positivo, com 2.804 empregados a mais no primeiro semestre, resultado da contratação de 7.423 profissionais. O Banco do Brasil manteve o quadro estável."

"O Itaú Unibanco comanda a lista, com 6.679 desligamentos, seguido pelo Bradesco, com 2.309."

Desemprego bancário concentra-se no setor privado, que demitiu 5 mil no 1º semestre

Estudo mostra que contratados recebem 36% a menos do que demitidos e que as mulheres ganham 25% a menos do que os homens

Redação RBA - publicado 26/07/2013 18:53, última modificação 26/07/2013 19:38

O lucro de R$ 3,4 bilhões do Itaú não impediu o banco de cortar 6.679 postos de trabalhoSão Paulo – Pesquisa divulgada hoje (26) pela Confederação Nacional dos Trabalhadore do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) mostra que o desemprego no setor, no primeiro semestre, concentrou-se nas empresas privadas, que fecharam quase 5 mil postos de trabalho. No total do sistema financeiro, foram fechados 1.957 postos de trabalho, segundo o levantamento, feito em parceria com o Dieese e com base nos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho Emprego.

Instituto Lula rebate FHC sobre resultados no IDHM

Instituto Lula rebate FHC sobre resultados no IDHM
247 30 DE JULHO DE 2013 ÀS 21:16

Horas depois de o ex-presidente Fernando Henrique celebrar em seu perfil no Facebook maior crescimento do Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) durante a década de seu governo na comparação com a década governada pelo PT, Instituto Lula dá outra interpretação ao relatório do Ipea: "Dados do IDH por município mostram escala das mudanças no Brasil nos últimos 10 anos"; o instituto destacou declaração dada por Lula na semana passada, em Salvador, durante comemoração pelos 10 anos de governo do PT: "Tem gente querendo fazer com que as pessoas esqueçam o que fizemos nos últimos dez anos"



247 - As já tradicionais comparações entre os governos tucano e petista ganharam um novo elemento nesta segunda-feria, quando o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) apresentou, em parceria com o Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea) e a Fundação João Pinheiro, o Atlas do Desenvolvimento Humano Brasil 2013. A notícia é muito boa para o Brasil, pois os dados indicam crescimento de 47,8% no Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) brasileiro. Como trata dos últimos 20 anos, contudo, o levantamento deixou uma dúvida no ar: quem fez mais pelo País nesses anos, PT ou PSDB?

Os tucanos trataram logo de destacar que o IDHM cresceu mais durante a década em que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso governou. "Entre 1991 a 2000, período que contempla o lançamento e a consolidação do Plano Real, o IDHM cresceu 24,4%", destacou o PSDB em seu site. "Já entre 2000 e 2010, década marcada pela chegada do lulismo ao poder, a evolução foi de 18,8%", comparam os tucanos, levando FHC a alfinetar por seu perfil no Facebook: "Verdades da História sempre vencem a propaganda política populista".

Coincidência ou não, horas depois o Instituto Lula publicaria texto intitulado 'Dados do IDH por município mostram escala das mudanças no Brasil nos últimos 10 anos', com evidente destaque para as melhorias por que o país passou entre 2000 e 2010. "O Brasil viveu uma radical mudança em qualidade de vida, distribuição de renda e educação entre 2000 e 2010", diz o texto que menciona comentário feito por Lula na semana passada, durante discurso na comemoração pelos 10 anos do PT no poder: "Tem gente querendo fazer com que as pessoas esqueçam o que fizemos nos últimos dez anos. Nós temos o direito de reivindicar tudo que falta, mas temos a obrigação de reconhecer tudo que conquistamos".

Dados do IDH por município mostram escala das mudanças no Brasil nos últimos 10 anos

Dados do IDH por município mostram escala das mudanças no Brasil nos últimos 10 anos
Instituto Lula - 30/07/2013

O Brasil viveu uma radical mudança em qualidade de vida, distribuição de renda e educação entre 2000 e 2010. Os desafios pela frente ainda são grandes, mas as conquistas dos últimos anos mostram que o país caminha no rumo certo. Os dados que referendam essas afirmações estão no Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil, lançado nesta segunda-feira (29), em Brasília, pelo PNUD, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento.

Na semana passada, em Salvador, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva já havia falado sobre a importância de reconhecer as conquistas e continuar avançando. “Tem gente querendo fazer com que as pessoas esqueçam o que fizemos nos últimos dez anos”, afirmou Lula no começo de seu discurso em comemoração pelos 10 anos de governo democrático e popular. “Nós temos o direito de reivindicar tudo que falta, mas temos a obrigação de reconhecer tudo que conquistamos”, completou.

terça-feira, 30 de julho de 2013

Pastor Marcos Feliciano chama mídia de ‘desonesta’ ao repercutir fala de Papa sobre gays

FUTURO MINISTRO DA JUSTIÇA DE MARINA SILVA: Feliciano chama mídia (TV GLOBO) de ‘desonesta’ ao repercutir fala de Papa sobre gays.
Justiceira de Esquerda - 30/07/2013
O presidente da Comissão de Direitos Humanos (CDH) da Câmara dos Deputados, Pastor Marco Feliciano (PSC-SP), criticou nesta segunda-feira a imprensa, e afirmou que os veículos de comunicação distorceram as declarações do papa Francisco sobre homossexuais de forma "desonesta".
Nesta segunda-feira, ainda no avião, em sua viagem de volta ao Vaticano, Francisco afirmou que os homossexuais não devem ser discriminados e sim integrados à Igreja. “Se uma pessoa é gay, busca Deus e tem boa vontade, quem sou eu para julgá-la?”, disse o Papa.

Em sua página no Twitter, Feliciano publicou uma série de cinco mensagens, e disse concordar com o representante maior da Igreja Católica. De acordo com o parlamentar, porém, a imprensa tratou a declaração de forma "desonesta".

“Li todas as reportagens da entrevista com o Papa sobre homossexuais. O que ele diz faz sentido, ninguém pode julgar ninguém, Mateus 7:1. Também concordo que as igrejas estejam abertas para receber os gays que procuram Deus, aliás isso sempre foi feito pela igreja evangélica. A imprensa só deveria ser mais honesta e colocar com letras garrafais que, entretanto, o Papa disse que a igreja não muda seus posicionamentos. Ou seja, ela ama o pecador mas não ama o pecado. Aceita o homossexual, mas não aceita o ato homossexual. A igreja não muda o que a bíblia diz. Ao fazerem uma matéria com o tema que fizeram a mídia é desonesta, dá-se a entender q o Papa liberou o que a bíblia proibiu”, afirmou.

"Vozes das ruas", das "classes conscientes de última hora". Por que só agora polícia, saúde, educação e transporte preocupam?



Por que só agora?
CNN - Coxinha News Network - 30/07/2013 
Por que só agora polícia, saúde, educação e transporte preocupam?
Weden Alves, no Facebook

Essa é uma pergunta que se tende a ignorar, porque a resposta aponta como uma lança para nossa hipocrisia de cada dia. Sinceramente, estou muito pouco preocupado com a preocupação que certos grupos sociais passaram a ter com a violência policial contra eles. Porque estes mesmos grupos sempre ignoraram (e até motivaram) a violência policial contra os outros. Também não acredito nesta enorme insatisfação com a saúde pública, com a educação, com os aeroportos, com o transporte público, que, de uma hora para outra, as velhas classes médias começaram a ter. Por quê? Explico, a começar pela saúde.

Por muito tempo o SUS foi "coisa de pobre". E merecia piadas e não preocupação. Isso há muito pouco tempo. Vi gente por aqui mesmo se vangloriar de que nunca usaria o SUS. Pobres tolos. Lógico que usam. Da Samu à Anvisa, passando pelas vacinações em massa, e aquela operação do coração ressarcida pelo sistema aos planos de saúde, o SUS, como a Geni de Chico Buarque, sempre foi a puta a quem se recorreu na hora do sufoco. Para ser desprezada logo depois.

Tijolaço na "classe média". O vídeo de 2005 que está irritando os “coxinhas”. Papagaio de todo telejornal, que acredita na imparcialidade da revista semanal...

O vídeo da música que está irritando os "coxinhas"
Tijolaço - 29/07/2013

O compositor e cantor Max Gonzaga está “bombando” na internet com a música “Classe Média”, despertando a ira dos “coxinhas”, o nome que pegou para os jovens de classe média que reproduzem o discurso superficial e de direita da mídia.

Max, coitado, está sendo acusado de fazer a música para zombar das manifestaçoes do mês passado, mas a gravou há oito anos, em 2005.

Aliás, Max diz cantando, muito mais simples e bem-humorado, o que a Marilena Chauí falou, provocando tanta polêmica.

Se alguém quiser o disco do Max, a propaganda é grátis, basta clicar aqui e ele combina um jeito de entregar.
Em tempo: a classe média é e pode ser diferente. Foi dela que saíram Chico Buarque, Caetano, Gil e uma geração de artistas e intelectuais geniais, como anos antes tinham surgido Vinìcius, Graciliano, Jorge Amado e tantos outros. Mas é preciso, para isso, apenas um detalhe: não ter o umbigo no centro do Universo e lembrar que o povo é a terra de onde o intelecto se alimenta para brotar e poder florir.
Por: Fernando Brito


Max Gonzaga, autor do hit ‘Classe Média’, fala ao Blog da Cidadania
Eduardo Guimarães - 08/05/2013



Nos últimos anos, uma composição algo antiga, de meados da década passada, proliferou pela internet e por blogs e sites ditos “progressistas”, surgidos no âmbito de um movimento pela democratização da comunicação que ganhou força desde então devido ao esgotamento da paciência dos setores pensantes da sociedade com um oligopólio composto por impérios de comunicação que vêm toldando as questões mais prementes da cidadania e a pluralidade do debate das grandes questões de interesse nacional.

Joaquim Barbosa e o suposto racismo nas urnas

Joaquim Barbosa e o suposto racismo nas urnas
JB Online - 29/07/13

Benedita da Silva é um exemplo de que não há resistência contra candidatos negros

Em recente entrevista ao jornal O Globo, o presidente do STF, Joaquim Barbosa, afirmou que o Brasil não está preparado para ter um presidente negro. Esta declaração pode ter sido motivada por uma séria conversa com autoridade, na qual teria sido manifestado o desconforto com uma suposta perseguição racista.
Vale destacar que, com relação a possíveis resistências de eleitores brasileiros com candidatos negros, há uma série de exemplos que jogam isto por terra. Talvez o mais significativo deles seja o de Benedita da Silva - cujo slogan em campanha sempre foi "mulher, negra e favelada".

Benedita se elegeu vereadora em 1982. Em 1986, foi eleita deputada federal, e se reelegeu para este cargo em 1990. Na Legislatura de 1987-1991, participou da Assembleia Nacional Constituinte. Em 1994, elegeu-se senadora, tornando-se a primeira mulher negra a ocupar uma vaga no Senado. Foi eleita vice-governadora do Rio de Janeiro em 1998 na chapa de Anthony Garotinho. Com a renúncia do então governador para concorrer à Presidência em 2002, assumiu o governo do estado. Em 2010 foi novamente eleita deputada federal pelo Rio, com 71.036 votos.

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Francisco propõe erradicação da pobreza, mas mídia omite.

Francisco propõe erradicação da pobreza, mas mídia omite
Luis Nassif Online - 29/07/2013 - 14:48

Por carlos do maranhão
Em discurso que pouco repercutiu junto à mídia, talvez abafado pela  entrevista coletiva ao "Fantástico", o Papa Francisco disse que " futuro exige de nós uma visão humanista da economia e uma política que realize cada vez mais e melhor a participação das pessoas, evitando elitismos e erradicando a pobreza. Que ninguém fique privado do necessário, e que a todos sejam asseguradas dignidade, fraternidade e solidariedade: esta é a via a seguir".

A referência foi feita durante o encontro com a sociedade civil no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, na manhã de sábado. No pronunciamento Francisco disse que "Todos aqueles que possuem um papel de responsabilidade, em uma Nação, são chamados a enfrentar o futuro "com os olhos calmos de quem sabe ver a verdade", como dizia o pensador brasileiro Alceu Amoroso Lima ["Nosso tempo", in: A vida sobrenatural e o mundo moderno (Rio de Janeiro 1956), 106].
As questões relativas  humanização da economia e da erradicação da pobreza foram abordados no segundo dos três aspectos desse "olhar calmo, sereno e sábio": " Queria considerar três aspectos deste olhar calmo, sereno e sábio: primeiro, a originalidade de uma tradição cultural; segundo, a responsabilidade solidária para construir o futuro; e terceiro, o diálogo construtivo para encarar o presente".
A Folha abordou assim:"Papa cobra 'reabilitação política' e pede diálogo contra protestos e tensões" (http://bit.ly/16f6K0n )
O Globo: 'Entre a indiferença egoísta e o protesto violento, há uma opção sempre possível: o diálogo', diz Francisco.

"Brazil takes off" no IDH humano. ONU vê progresso "impressionante" no Brasil. IDH dos municípios brasileiros sobe quase 50% em 20 anos

ONU vê progresso "impressionante" no Brasil
247 - 29 DE JULHO DE 2013 ÀS 16:16

Nas últimas duas décadas, o Brasil quase dobrou seu Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM), passando de 0,493, em 1991, para 0,727, em 2010, um número que representa alto desenvolvimento humano, conforme o Atlas do Desenvolvimento Humano Brasil 2013; País registrou crescimento de 47,8% no IDHM; em 1991, 85,5% das cidades brasileiras tinham IDHM considerado muito baixo; em 2010, o percentual passou para 0,6% dos municípios; "Brasil mostrou que é possível acabar com desigualdades históricas em pouco tempo", disse membro da ONU

Da Agência Brasil

Paulo Henrique Amorim e a cobertura do Papa pela Globo. Uma "Olimpíada Papalina" que nem a TV do Vaticano seria capaz de tal proeza. Por que a Globo chegou a essa devoção avassaladora? Converteu-se à Virtude? Botou Fé no Papa?

POR QUE A GLOBO CAPTUROU O PAPA
Conversa Afiada - 27/07/2013
A Globo é a elite. E a Igreja está dentro dela(s)


O Bonner vai espargir essência de rosas no cenário, logo antes do jornal nacional.

Os homossexuais serão banidos da novela das oito.

O Boninho vai exigir recolocação do hímen das participantes do BBB, se necessário.

No refeitório está proibido servir cabelo de anjo.

O Na Moral do Bial vai substituir o tema da legalização da maconha por “as virtudes da monogamia” – com o mesmo entrevistado, o FHC.

As assistentes de palco do Faustão passarão a trajar o vestido da Cassia Kiss num dos Passos da Paixão.

As “meninas do Jô” terão que se confessar a ele, de público.

E um dos filhos do Roberto Marinho – talvez o primogênito – se recolherá, para sempre, a um convento em Capri.

Todas essas considerações se devem ao fenômeno da cobertura da Globo à visita do Papa.

Nem a TV do Vaticano seria capaz de tal proeza.

A Globo chegou ao extremo de dedicar ao Papa o mesmo tratamento que dedicou à doença infantil do transportismo, de forma a transformar o movimento numa tentativa de Golpe de Estado .

Por que a Globo chegou a essa devoção avassaladora ?

Papa Francisco, durante voo de volta ao Vaticano, diz que gays não devem ser marginalizados. Critica todo tipo de lobbies, não somente o "lobby gay"

“Se uma pessoa é gay e busca Deus, quem sou eu para julgá-lo?”, diz papa
Sul21 - 29/07/2013


As declarações sobre homossexualidade foram em resposta a recentes revelações de que um assessor próximo seria homossexual e a uma frase atribuída a ele no início de junho, de que havia um “lobby gay” no Vaticano | Foto: ABr
Da Redação
A Igreja não pode julgar os gays por sua opção sexual e nem marginalizá-los. A afirmação é do papa Francisco e pode ser considerada a mais ousada declaração de um pontífice sobre homossexualidade. “Se uma pessoa é gay e procura Deus e tem boa vontade, quem sou eu pra julgá-lo”, declarou. “O catecismo da Igreja explica isso muito bem. Diz que eles não devem ser marginalizados por causa disso, mas devem ser integrados na sociedade”, acrescentou.
As declarações foram dadas em uma entrevista concedida pelo papa aos jornalistas que o acompanharam no avião. As manifestações do papa sobre homossexualidade foram em resposta a recentes revelações de que um assessor próximo seria homossexual e a uma frase atribuída a ele no início de junho, de que havia um “lobby gay” no Vaticano. De acordo com o ele, o problema não é ser gay, mas o lobby em geral.
“Vocês vêm muita coisa escrita sobre o “lobby gay”. Eu ainda não vi ninguém no Vaticano com um cartão de identidade dizendo que é gay. Dizem que há alguns. Acho que, quando alguém se encontra com uma pessoa assim, devemos distinguir entre o fato de que uma pessoa é gay de formar um lobby gay, porque nem todos os lobbies são bons. Isso é o que é ruim.”

domingo, 28 de julho de 2013

Dilma, em novo pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV presta contas à sociedade. Comenta dados do Ipea. Brasil atinge menor nível de desigualdade da história. Entre 2001 e 2011 houve crescimento real de 91,2% na renda dos 10% mais pobres. O Brasil de 2013, pois, é um país em que conseguir um emprego deixou de ser uma loteria como fora há mais de uma década.

Um pronunciamento para Dilma
Eduardo Guimarães - 28/07/2013
Atenção para um pronunciamento para a Excelentíssima Senhora Presidenta da República, Dilma Rousseff
—–
Minhas amigas e meus amigos,
O Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) divulgou na semana passada que o Brasil tem hoje o menor nível de desigualdade da história documentada do país.  Em 2011, o índice de Gini, que mede a desigualdade de renda entre os brasileiros, foi de 0,527, o menor desde 1960.
Entre 2001 e 2011, no Brasil, houve crescimento real de 91,2% na renda dos 10% mais pobres. No caso dos 10% mais ricos, o aumento foi 16,6%. Segundo o Ipea, o aumento da renda na base da pirâmide relativiza o fraco desempenho do PIB (Produto Interno Bruto) no ano passado.
Comentar esse feito do Brasil ao longo da última década torna-se imperativo para prestar contas a você, cidadã ou cidadão, sobre que projeto de país o meu governo vem implantando. Um projeto em que todas as classes sociais estão ganhando, com aumento de renda e, consequentemente, de poder aquisitivo tanto para ricos quanto para pobres.
O Brasil promoveu justiça social, que é cada cidadão ter condição minimamente digna de vida, de não ter que se submeter à fome, ao desabrigo, a doenças há muito erradicadas no mundo desenvolvido, à ignorância, à violência, a condições a que qualquer um de nós ser submetido envergonha a todos, pois o próprio conceito de nação encerra o sentimento de solidariedade entre irmãos de sangue e cultura.

O Papa falou a palavra mágica: "corrupção", a mídia soltou rojões. Apesar da abordagem seletiva e manipuladora da mídia oposicionista. Ela atinge a própria Santa Sé, o que recomenda cautela ao papa nos seus sermões!

Imagina o que diria o Papa se ficasse sabendo que a sonegação fiscal no Brasil atinge R$ 415 bilhões ano, segundo Sindicato Nacional dos Procuradores da Fazenda Nacional (Sinprofaz) e o Estadão de 05/06/2013.  

Vocês, queridos jovens, possuem uma sensibilidade especial frente às injustiças, mas muitas vezes se desiludem com notícias que falam de corrupção (principalmente con la evasión de impuestos que también genera corrupción y concentración de la riqueza - Causa-me Espécie!), com pessoas que, em vez de buscar o bem comum, procuram o seu próprio benefício... Nunca desanimem, não percam a confiança, não deixem que se apague a esperança. A realidade pode mudar, o homem pode mudar. Procurem ser vocês os primeiros a praticar o bem

"Monsenhor Nunzio Scarano já foi apelidado pela imprensa italiana de “Dom 500”, numa referência à nota de € 500 que seria a sua preferida. Antes de viajar ao Brasil, o papa Francisco anunciou a decisão de auditar as contas do Banco do Vaticano, cujo nome oficial é IOR (Instituto para Obras da Religião). Em 2012, a poderosa instituição financeira declarou possuir € 7,1 bilhões (R$ 20,18 bilhões) em ativos e ter obtido um lucro de € 86,6 milhões (R$ 246,16 milhões). Antes da prisão, Scarano chefiava o departamento conhecido pelo curioso nome de Administração do Patrimônio da Sé Católica. Antes deles, outros religiosos também foram denunciados por atos ilícitos no Vaticano. "
OBRA DE FICÇÃO. PROIBIDO PARA MENORES DE 16 ANOS. 
O papa e a corrupção... no Vaticano!
26/07/2013 - Altamiro Borges  Borges

Num primeiro momento, a mídia oposicionista estranhou a ausência de críticas políticas nos sermões do papa Francisco no Brasil. Já nesta sexta-feira (26), ela soltou rojões com as suas genéricas referências à corrupção durante a visita à favela Varginha (RJ). O alvo, segundo alguns “calunistas”, foi a presidenta Dilma. O repórter Fabiano Maisonnave, conhecido por suas coberturas antichavistas quando era correspondente da Folha na Venezuela, enfatizou: “Num discurso de forte conteúdo social e recheado de mensagens políticas, o papa Francisco encorajou ontem os jovens a lutar contra a corrupção”. Os telejornais, principalmente os da TV Globo, também elogiaram o “recado papal”.

O discurso do papa Francisco nem foi tão “forte” assim! “Vocês, queridos jovens, possuem uma sensibilidade especial frente às injustiças, mas muitas vezes se desiludem com notícias que falam de corrupção, com pessoas que, em vez de buscar o bem comum, procuram o seu próprio benefício... Nunca desanimem, não percam a confiança, não deixem que se apague a esperança. A realidade pode mudar, o homem pode mudar. Procurem ser vocês os primeiros a praticar o bem”, afirmou. Para o jornalão da famiglia Frias, porém, “o discurso do papa foi interpretado como uma alusão à onda de protestos iniciada no país em junho”. Haja imaginação e vontade!

Tijolaço no Fascismo em nome de Deus. Drauzio Varella peita o integralista que se diz “pró-vida”. ”Quem são, e quantos são, esses arautos da moral e dos bons costumes? De onde lhes vem a autoridade para ameaçar em público a presidente da República?”.

Drauzio Varella peita o integralista que se diz “pró-vida”
Tijolaço - 27 de Jul de 2013 | 15:15

Não foi só o meu estômago que se embrulhou com a história do integralista Paulo Fernando Melo Costa, que foi ao Palácio do Planalto fazer ameaças à Presidenta Dilma Rousseff para que ela vetasse a lei, já aprovada no Congresso, que manda a rede pública dar assistência às mulheres vítimas de estupro.

Também o Dr. Drauzio Varella, com décadas de medicina, narrou hoje na Folha que se revoltou com a história. Varella, claro, com suas década de experiência médica, fala do tema com muito mais propriedade do que eu seria capaz, mostrando o drama das mulheres vítimas de violência sexual.

Só posso ajudar a responder, com a investigação feita por este Tijolaço, à pergunta que ele faz, indignado:”Quem são, e quantos são, esses arautos da moral e dos bons costumes? De onde lhes vem a autoridade para ameaçar em público a presidente da República?”.

São fascistas mesmo, Dr. Drauzio, e não em sentido figurado. São os herdeiros tupiniquins das malditas ideias de Hitler e Mussolini, que cobriram o mundo de vergonha e morte.


Fascismo em nome de Deus
Drauzio Varella

Há manhãs em que fico revoltado ao ler os jornais.

Aconteceu segunda-feira passada quando vi a manchete de “O Globo”: “Pressão religiosa”, com o subtítulo: “À espera do papa, Dilma enfrenta lobby para vetar o projeto para vítimas de estupro que Igreja associa a aborto”.

sábado, 27 de julho de 2013

Dilma, a Mídia, a inflação e a verdade. "Eu propus cinco pactos. E eu tenho um sexto, sabe? Que é o pacto com a verdade. Não é admissível o que se faz hoje no Brasil (...) O país, nessa conjuntura (referindo-se à crise internacional) mantém a estabilidade. Cumpriremos a meta de inflação pelo décimo ano consecutivo. Sabe em quantos o Fernando Henrique não cumpriu a meta? Em três dos quatro anos dele [o regime foi implantado no segundo mandato de FHC]"

Dilma: "Eu e Lula somos indissociáveis"
27 DE JULHO DE 2013 ÀS 19:21

Em entrevista à jornalista Mônica Bergamo, a presidente Dilma Rousseff garante que o ex-presidente Lula não voltará em 2014, porque nunca saiu de seu governo; ela também bateu duro na oposição: "Cumpriremos a meta de inflação pelo décimo ano consecutivo. Sabe em quantos o Fernando Henrique não cumpriu a meta? Em três dos quatro anos dele"; sobre especulações, ela afirma que Guido Mantega não sai do governo e diz que não reduzirá o número de ministérios; até do tomate ela falou: "teve queda de 16%"; sobre a mídia, a presidente propõe a regulamentação do setor, aborda a crise dos veículos impressos diante da internet e fala até da necessidade de um "pacto com a verdade"

247 - Numa de suas raras entrevistas, concedida à jornalista Monica Bergamo, a presidente Dilma Rousseff, falou sobre vários temas. Da sucessão presidencial, em 2014, ao lobby do tomate, passando pelos boatos sobre a redução do número de ministérios e a substituição de Guido Mantega, na Fazenda.
Os principais trechos da entrevista, que será publicada amanhã na Folha de S. Paulo, você confere agora, no 247. Leia abaixo os principais pontos abordados pela presidente:
Redução de ministérios
"Não acho que reduza custos. As medidas de redução de custeio, nós tomamos. Todas. E sabe o que acontece? Vão querer cortar os de Direitos Humanos, Igualdade Racial, Política para as Mulheres. São pastas sem a máquina de outros. Mas são fundamentais."
Guido Mantega
"O Guido está onde sempre esteve: no Ministério da Fazenda. E vocês podem me matar, mas eu não vou falar de reforma ministerial."
Inflação
"O IPCA deu 0,07% neste mês... E nós temos acompanhamento diário da inflação, tá? Hoje, deu menos de 0,02%, tá? Ela é cadente"
Emprego
"Houve uma variação. Foi de 5,9% para 6%. É a margem da margem da margem (...) Em todo o primeiro mandato do Fernando Henrique Cardoso foram gerados 824.394 empregos. Eu, em 30 meses, gerei 4,4 milhões. Você vai me desculpar."
Lobby do tomate

Programa Mais Médicos, o Bolsa Família da saúde?

Programa Mais Médicos, o Bolsa Família da saúde?
Limpinho & Cheiroso - 26/07/2013
Saul Leblon, via Carta Maior

O sucesso delineado na ampla adesão dos municípios ao Programa Mais Médicos deve ser analisado exaustivamente. Talvez represente mais que um alívio pontual no cerco conservador anabolizado pelas manifestações de junho, cujo impacto nos índices de aprovação ao governo tem sido reiterado, em meticuloso rodízio, pelos institutos de pesquisa.

A análise do programa lançado pelo Ministério da Saúde, há cerca de um mês, poderá inspirar uma bem-vinda reconciliação com a dimensão política da luta pelo desenvolvimento, esgarçada nos últimos anos por um certo viés economicista.

Desde 2010, sabia-se que a substituição do ativismo visceral de Lula pela racionalidade administrativa de Dilma implicaria mudanças de ênfase. Que pareciam adequadas, diga-se. O Brasil necessitava consolidar as múltiplas frentes abertas desde 2003, ademais de retificar flancos estruturais que emergiram no processo.

Para listar apenas os da agenda econômica: a valorização cambial desindustrializante, o obsceno custo financeiro, a carência de detalhamento para grandes projetos de infraestrutura etc. A combinação entre a ênfase administrativa do novo governo e a retaguarda política do antecessor parecia perfeita.

Dilma era a chefe de governo. Lula, o chefe político.

A doença do ex-presidente acendeu o farol amarelo. As manifestações de junho piscaram o vermelho. O blend teórico entre o político e o administrativo mostrou sua vulnerabilidade quando submetido à pressão contundente das ruas. A interação entre os canais emperrou na ausência de mecanismos de resposta rápida.

Não só.

Vozes dos trilhos 2. “10%”? Esqueça: a taxa São Paulo-Siemens é 30%. ISTOÉ. A FABULOSA HISTÓRIA DO ACHAQUE DE 30%. Corrupção tucana no Metrô e trens de SP desviou pelo menos R$ 425 milhões.

Clique na foto para ampliar a fraude
“10%”? Esqueça: a taxa São Paulo-Siemens é 30%
Tijolaço- 27 de Jul de 2013 | 09:47

IstoÉ que vai às bancas hoje traz mais uma reportagem explosiva sobre o caso de corrupção promovido pela americana Alstom e e pela alemã Siemens nos contratos com o Metrô e a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, ambas controladas pelo Governo do Estado.

Leia-se, portanto, José Serra e Geraldo Alckmin.

O escândalo, que não é novo, reacendeu semana passada com uma matéria da mesma revista revelando um “propinoduto” paulista. Uma reportagem publicada esta semana pela Deustche Welle, agência de notícias alemã, confirma que a Siemens, embora tivesse prometido. em 2007, esclarecer todas as suspeitas de corrupção que a abalavam, continuou operando o pagamento de propinas na aquisição de contratos no Brasil.

Como a Siemens admitiu, esta semana, que a “notificou as autoridades antitruste brasileiras sobre uma formação de cartel, com participação da multinacional alemã, para fraudar licitações para a compra de equipamento ferroviário e para a construção e manutenção de linhas de trem e de metrô em São Paulo e em Brasília”, o Ministério Público teve de abrir informações sobre o caso.

E o que revela a Istoé é – não há outra palavra – é uma corrupção cavalar.

Esqueça os famosos “10%”. O bico aqui é grande, muito grande: 30%.

sexta-feira, 26 de julho de 2013

CNN - Coxinha News Network. Revolta dos Coxinhas é movimento niilista, reacionário e antidemocrático

"Na verdade, a hegemonia da atual semântica política é niilista, reacionária, antidemocrática. Mesmo as manifestações em favor de teses populares adquirem conotação truculenta. Com todo o narcisismo de que são portadores, movimentos e personalidades de grande notoriedade não conseguem desfazer a impressão de que perderam o controle sobre o emocional da população. A conjuntura é fascistoide. A pauta trabalhista das centrais sindicais era a aparência para esconder uma real tentativa de retomar a alma das ruas. Foi uma manifestação chinfrim, o dia nacional de lutas, e não recuperou a hegemonia. Ficou apenas a impressão de que reclamava do governo a extinção do fator previdenciário e a realização de uma reforma política, entre outras bandeiras costumeiras, sem consequência significativa."
Revolta dos Coxinhas é movimento niilista, reacionário e antidemocrático
CNN - Coxinha News Network - 26 de julho de 2013

Anomia niilista
Por Wanderley Guilherme dos Santos
Valor Econômico

Milhões de pessoas foram projetadas a estações de consumo e lazer das quais nunca haviam tido sequer notícia. Passado o deslumbramento, expectativas ambiciosas cresceram em velocidade maior do que caíam taxas de juros e sinais inflacionários, levando a audacioso endividamento das famílias. Por fim, a ressaca veio sob forma de aguda ansiedade sobre o futuro imediato, tornando-as vulneráveis aos anúncios de que crescimento econômico em torno de 3,0% significará desastre, desemprego generalizado e uma queda livre, sem rede de proteção, dos trapézios sociais alcançados.

Rápidos deslocamentos ascendentes desenraízam as pessoas da matriz societária original, provocando crises de identidade e desorientação quanto a valores, estando por serem substituídos os anteriores, desaprendidos. Max Weber apontou a reserva de ebulição aí depositada, tanto quanto nas crises de despenhadeiro, quando enormes contingentes de trabalhadores são despejados na escala social com destino à miséria e desesperança. E, ambos, períodos de extensa anomia social, insegurança quanto a rumos e subversão de critérios de avaliação e escolha social. Atração fatal à anomia, o niilismo, o negativismo militante candidata-se a acompanhante emocional, pacificador da insegurança dos segmentos desorientados.

Denúncia. Médico que diz que estrangeiros são enganação tem dois filhos “importados” de Cuba. Dr. Paulo de Argollo Mendes, presidente do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul

Médico que diz que estrangeiros são enganação tem dois filhos “importados” de Cuba
Viomundo - 25 de julho de 2013 às 19:38


Paulo de Argollo Mendes está no poder há 15 anos. Recentemente reeleito para mais um mandato como presidente do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul, o triênio 2013-2015

por Conceição Lemes, a partir da dica do leitor Marcus Vinícius Simioni

Quem passa pelo Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers) nem precisa perguntar qual a posição da entidade sobre a “importação” de médicos estrangeiros.

O banner cobrindo praticamente toda a frente do edifício-sede sede, em Porto Alegre, fala por si só.



Com 15 mil associados — apenas estão fora da base Santa Maria, Rio Grande, Novo Hamburgo e Caxias –, seu presidente é o médico Paulo de Argollo Mendes. Há 15 anos no poder, ele reeleito para mais um mandato, o triênio 2013-2015.

Acordo ‘demagógico’ e ‘ideológico’’, classificou Argollo em 7 de maio, dia seguinte à revelação do ministro das Relações Exteriores, Antônio Patriota, de que o governo brasileiro negociava um pacto para trazer 6 mil médicos cubanos.

Altamiro Borges. Dilma suspenderá anúncios da Globo?

"a presidenta Dilma Rousseff continuará autorizando os bilionários anúncios publicitários numa empresa que sonega impostos e que já foi notificada 776 pela Receita Federal? Os senadores e deputados não cobrarão uma resposta do governo? Os manifestantes que ocupam as ruas nas últimas semanas não exigirão o fim deste incentivo à sonegação fiscal e à corrupção? A mídia “privada” continuará com seu pacto mafioso de silêncio? Tantas perguntas e tão poucas respostas!"

Dilma suspenderá anúncios da Globo?
Por Altamiro Borges - Blog do Miro - 25/07/2013

Pela legislação em vigor no Brasil, empresas que sonegam impostos não podem receber dinheiro público. Elas praticam crime fiscal, prejudicando os investimentos na educação, saúde, transporte e outros serviços. Neste item, a publicidade oficial dos órgãos do governo e das estatais pode ser encarada como um tipo de subsídio. A TV Globo, que abocanhou mais de R$ 500 milhões em anúncios em 2012, foi denunciada pela blogosfera – a partir de Miguel do Rosário, do blog Cafezinho – por ter sonegado milhões em impostos. Até hoje, a poderosa emissora não mostrou o Darf, o comprovante do pagamento. Fica, então, a pergunta: o governo Dilma suspenderá a publicidade na Rede Globo?

Nesta semana, os jornalistas Amaury Ribeiro Jr., autor do best-seller “A privataria tucana”, e Rodrigo Lopes garantiram no jornal mineiro “Hoje em Dia” que o império global ainda não saldou sua dívida com a Receita Federal e deram um furo jornalístico: “A Globopar, empresa ligada à TV Globo, está com parte das suas contas bancárias e bens bloqueados, devido a uma dívida ativa de R$ 178 milhões com o Tesouro Nacional. De acordo com documentos conseguidos pelo Hoje em Dia na Justiça Federal do Rio de Janeiro, a dívida inscrita no cadastro de inadimplentes foi originada por várias sonegações de impostos federais”.

Paulo Moreira Leite. O desemprego subiu de 5,8% para 6%. O tom preocupado, quase alarmante dos senhores que em espírito vestem fraque e cartola de banqueiros da belle époque.

"O confronto que se aproxima envolve aspectos objetivos e subjetivos e todos sabem que eles se alimentam mutuamente. Cada número desfavorável será ampliado e exagerado. Cada número positivo será escondido, amenizado. Empenhados em auxiliar uma oposição "fraquinha", não é preciso esperar uma visão isenta nem equilibrada da maioria dos meios de comunicação. Se já era ruim quando o país crescia a 7,5%, imagine agora.
Já li quem dissesse que os 6%, ainda um dos menores índices de desemprego do mundo e da história do Brasil, são a prova definitiva da desagregação da política econômica."

"Os 6% obrigam, no entanto, a falar de uma certa hipocrisia. Foi em abril, sob uma pressão violentíssima da turma de fraque & cartola, que o Banco Central cedeu e modificou a taxa de juros – este sim, um sinal poderoso e de efeitos materiais bem conhecidos sobre o conjunto da economia."

Hipocrisia de fraque & cartola
Paulo Moreira Leite - ISTOÉ 

Apenas a hipocrisia de grandes senhores - esses que em espírito vestem fraque e cartola de banqueiros da belle époque -- justifica o tom preocupado, quase alarmante, com a alta do desemprego anunciada ontem.

O desemprego subiu para 6%, contra 5,8% em maio. Milhares de pessoas não conseguiram o trabalho que procuravam e isso não é bom para ninguém.

A rigor, contudo, não é um patamar alto, ainda que seja uma raridade. Só em 2002, quando o Brasil era governado por Fernando Henrique Cardoso, o país teve um desemprego maior do que 6% em junho.

A preocupação sobre os 6% se justifica por uma pergunta: este número aponta para uma tendência de novas altas no futuro?

Impossível saber agora.

A leitura da maioria de nossos observadores sugere impressões falsas sobre o comportamento da economia.

Dá a impressão de que possíveis altas do desemprego, com queda do salário e a reversão de um ambiente espantosamente saudável quando se olha para o mundo lá fora, inevitavelmente estão a caminho.

Isso porque o país estaria condenado, por leis da natureza ou castigos divinos, por ter se recusado a cumprir o ABC do pensamento monetarista. Claro que não é assim.

Lições de manipulação de nossa mídia "isenta" e "apartidária": UOL noticia o índice de aprovação de Alckmin na pesquisa CNI/Ibope e esconde sua taxa de rejeição, o oposto que faz com Dilma. Atenção também para as fotos

Paulo Jonas de Lima Piva - Blog O Pensador da Aldeia - 25/07/2013 

"Governo Alckmin é aprovado por 26%, afirma CNI/Ibope", noticiou neste dia 25 o site UOL. Por outro lado, também neste dia, o mesmo site, que é do grupo Folha, publicou a seguinte manchete sobre Dilma: "Avaliação negativa de Dilma vai a 49% e supera positiva, diz CNI/Ibope".

Ou seja, para o tucano Alckmin, eufemismos, maquiagens, a blindagem pelo positivo; já para a petista Dilma o negativo, o rebaixamento pela ênfase no pior.

O site UOL consegue ser mais sórdido e asqueroso ainda na escolha das fotos. Vejam.

A foto na reportagem sobre a popularidade de Dilma:

Presidente Dilma Rousseff fala durante o encontro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, no último dia 17

A foto na notícia sobre a popularidade de Alckmin:

O governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP) durante anúncio de lançamento da consulta pública para o edital da PPP que prevê a construção de novo metrô

A popularidade de Alckmin ainda não é menor porque a grande mídia - a UOL, por exemplo - esconde da opinião pública escândalos do PSDB como o da corrupção do metrô e tira da pauta do noticiário a responsabilidade do governador quando os assuntos são o descaso da educação pública em São Paulo, a falta de transporte e a criminalidade descontrolada

*********
Leia tambémO golpe contra Dilma: como derrubar um governo com altos índices de aprovação popular usando a massa de manobra das redes sociais e levá-lo sangrando para as eleições de 2014

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Cresce a disputa para ser o melhor homem bom infiltrado no ministério de Dilma

25 de julho de 2013
By Professor Hariovaldo



Convertidos à causa do homens bons, ministros da búlgara usurpadora seguem disputando entre-si qual é o melhor bendito fruto em meio a seara do governo comunista. Para muitos, considerado hors concurs no quesito, o ministro José Eduardo Cardozo viu surgir diante de si um poderoso adversário, que firmemente alinhado com a imprensa livre e imparcial do país, a qual de maneira isenta luta tenazmente para derrubar o desgoverno Dilma, Paulo Bernado, homem boníssimo ao qual foi oferecido a honra de figurar nas páginas amarelas do semanário mais combativo do parvo apedeuta, ex-usurpador de Garanhuns. No entanto, os dois foram ultrapassados, ainda que por margem mínima, pelo grandioso Aloizio Mercadante, que enviou generosa missiva aos líderes do diário dos homens bons, louvando o patrono da instituição, como grande democrata que foi, baluarte da ditabranda, um dos articulistas do combate ao comunismo e da ascensão do sapo barbudo ao poder.

Pelo que estamos vendo, o páreo é duro, mas os candidatos são bons, e se esforçam cada vez mais para serem merecedores de todos os louros dos homens de bem, mostrando que ainda há esperança, mesmo no antro marxista, pois aqueles que são do bem cada dia se revelam mais, postando-se ao lado dos homens bons nessa ferrenha luta pela derrocada da ditadura Lullodilmista. Alvíssaras!

Vítimas de abusos sexuais pedem a Papa Francisco que João Paulo II não seja canonizado. Grupo quer que processo de canonização só seja feito após investigações de acusações de pedofilia na Igreja Católica

Link da imagem. João Paulo II pode ser o primeiro
 santo canonizado por Francisco
Vítimas de abusos sexuais pedem a Papa Francisco que João Paulo II não seja canonizado
Opera mundi - 25/07/2013 - 09h52

Grupo quer que processo de canonização só seja feito após investigações de acusações de pedofilia na Igreja Católica

Organizações ligadas às vítimas de abusos sexuais no México apelaram ao Papa Francisco que vete o processo de canonização de João Paulo II. O grupo pede que o ex-pontífice polonês não seja considerado santo até o fim das investigações de pedofilia que o Comitê de Direitos Humanos da ONU faz ao Vaticano.

Um grupo de ativistas e acadêmicos mexicanos, inclusive, lançou uma campanha internacional contra a canonização de Karol Wojtyla com o argumento que ele encobriu casos de pedofilia e pederastia na sua época de pontífice.

Segundo informações da Agência Ansa, os ativistas afirmam que o papa Francisco deveria rever o processo de canonização até que a ONU (Organização das Nações Unidas) conclua se a Igreja Católica, como entidade, teve participação ou não nos processos de abusos contra crianças e adolescentes.

“O Pontificado de João Paulo II ficou marcado por uma crise provocada pelos milhares de casos de abusos sexuais de sacerdotes contra crianças”, disse o ex-padre Alberto Athié, um dos maiores opositores à ordem Legionários de Cristo.

Será o Papa um Feliciano com muito mais poder e com apoio da Globo? Homofobia, machismo, apego ao dinheiro, religião interferindo no Estado. Os motivos que inspiram o “Fora Feliciano” se aplicam ao papa. Com o agravante de que ele é bem mais poderoso

"(...)a maior TV do país (bem como quase todos os outros veículos de imprensa) ajoelha-se ao mandatário da tv católica. E não acredito ser esta uma decisão baseada somente pela audiência. A missa de domingo está na grade da Globo há décadas --atualmente é celebrada ao vivo pelo Padre Marcelo. E a emissora, apenas recentemente, de olho na perda de audiência e de dinheiro, começou um flerte institucional com os evangélicos, inaugurado com o festival de músicas gospel Promessas."

"A igreja católica sempre tratou a mulher de forma diferenciada. A começar pelo fato de que elas não podem ser ordenadas. Aos homens (padres) cabe orientar os fiéis, ditar os rumos da igreja e do mundo. Às freiras cabem tarefas como cuidar dos enfermos e necessitados e, por exemplo, cozinhar, lavar e passar para o “homem simples de fala mansa” que está entre nós."

"O amplo uso de estruturas e verbas públicas durante a visita de Francisco; o mesmo lobby para isenções fiscais e outras benesses financeiras; a mesma submissão dos governantes (de Dilma ao vereador de Pindamonhangaba). Mais: há crucifixos em repartições públicas (desrespeitando os evangélicos, inclusive) e mensagens religiosas nas notas de dinheiro, que são um símbolo nacional. E por aí vai."

Papa é um Feliciano com muito mais poder e o apoio da Globo

Homofobia, machismo, apego ao dinheiro, religião interferindo no Estado. Os motivos que inspiram o “Fora Feliciano” se aplicam ao papa. Com o agravante de que ele é bem mais poderoso
Carta Capital por Lino Bocchini — publicado 23/07/2013 14:49, última modificação 23/07/2013 16:34

globo papa.jpg
No Jornal Nacional, fiel chora de emoção ajoelhada diante do microfone da Globo
Os evangélicos estão sendo injustiçados. O tsunami de críticas que atingiu Marco Feliciano, Silas Malafaia e demais líderes evangélicos fundamentalistas se aplica ao papa Francisco e à Igreja Católica. Explico: as mesmas bandeiras conservadoras levantadas pelo presidente da Comissão de Direitos Humanos do Congresso estão no centro da atuação da igreja católica há séculos. E o argentino Mario Bergoglio, agora chamado de Francisco, comunga destes ideais e não se mostra disposto a alterá-los. Pelo contrário.
Vamos por partes:
Primeiro, a homofobia