sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Disparada de Lula nas pesquisas põe direita em pânico

Disparada de Lula nas pesquisas põe direita em pânico

Por Eduardo Guimarães - Blog da Cidadania - 17/02/2017

Xico Graziano, o eterno assessor de FHC, entrou em pânico ao ler a 133ª pesquisa CNT-MDA simplesmente porque a CNT é controlada pelo tucanérrimo Clésio Andrade. Ou seja, é um dos institutos de pesquisa mais insuspeitos de ser petistas.

Graziano é uma figura bastante conhecida no meio político por sua verborragia e pelas demonstrações desabridas de vassalagem para com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Nos últimos anos, Graziano têm se metido em várias polêmicas.

Em 2014, seu filho Daniel Graziano, então coordenador do departamento Administrativo, Financeiro e de Recursos Humanos do Instituto Fernando Henrique Cardoso (iFHC), foi convocado a depor em uma delegacia de São Paulo em inquérito sobre informações falsas publicadas na Internet contra Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha, filho do ex-presidente Lula.

http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2014-04-24/filho-de-assessor-de-fhc-e-convocado-para-explicar-boatos-contra-lulinha.html

O caso terminou em acordo, mas o pai de Daniel continuaria dando demonstrações públicas de “lealdade” ao ex-chefe. Porém, só o desespero pode levar esse sujeito a propor a volta de um político que apareceu com 13% dos votos em pesquisa recente do Datafolha sobre quem foi o melhor presidente que o Brasil já teve.

Detalhe, Lula apareceu com 40%.

Ano passado, em novembro, Xico Graziano faz publicar na Folha de São Paulo um artigo propondo, entrelinhas, a pura e simples nomeação de FHC como presidente da República.

Naquele artigo, o ex-chefe de Gabinete da Presidência no governo FHC aproveitou a onda que pregava eleição indireta de um presidente da República substituto caso Michel Temer fosse derrubado pelo TSE, e “sugeriu” que o tucano fosse nomeado presidente pelo Congresso, como se estivéssemos na ditadura militar.

Outro que “pirou” com a disparada de Lula nas pesquisas foi Reinaldo Azevedo, colunista da Folha de São Paulo, conhecido por seu antipetismo amalucado. Apesar de ter afirmado que Lula estaria “morto”, agora está dizendo que ele não só está vivo como pode se reeleger presidente.

Aliás, o jornal onde Reinaldo escreve não está menos desorientado com a disparada de Lula. A pesquisa CNT/MDA foi divulgada na tarde de quarta-feira, mas só foi aparecer na Folha nesta sexta-feira simplesmente porque Reinaldo Azevedo divulgou em sua coluna que comunica ao distinto público que, declarado morto por si, anteriormente, Lula “ressuscitou”.

O que espanta é o espanto dessa gente. Há quase três anos que a mídia, a Lava Jato, os partidos de direita, os movimentos antipetistas e uma militância histérica e canalha praticam toda sorte de atrocidades com o ex-presidente.

Nas últimas semanas, fascistas chegaram a organizar manifestações para comemorar a agonia da falecida esposa de Lula em seu leito de morte e, pelo lado da Justiça, Sergio Moro chegou a intimar dona Marisa Letícia a depor na Lava jato no dia de sua missa de sétimo dia. E ainda estão espantados por a população estar enxergando essa campanha infame contra aquele que pesquisas mostram que o Brasil considera o melhor presidente da história.

A Lava Jato, a mídia, os partidos de direita, os movimentos antipetistas e essa militância doentia que ataca Lula sem piedade, sem parar, a toque de golpes baixos vai acabar elegendo-o presidente no primeiro turno, em 2018.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

A reforma trabalhista do governo (sic) Temer pode desobrigar empregadores a pagar o piso de categorias ou até mesmo o salário mínimo

Brasileiro poderá trabalhar 14 horas diárias sem receber horas extras

Por André Campos | 09/02/17 - Repórter Brasil

Reforma trabalhista permite que sindicatos e empregadores estendam a jornada de trabalhadores sem aumento da remuneração

A reforma trabalhista do governo Michel Temer pode permitir que horas de trabalho antes remuneradas como horas extras sejam incorporadas à jornada normal sem pagamento adicional. Atualmente, todo empregado que faz hora extra tem direito a receber um adicional de, no mínimo, 50% sobre o valor da hora normal.

Isso acontece porque a proposta permite que sindicatos e empregadores negociem jornadas de até 220 horas mensais, mas não estabelece critérios claros para diferenciar o que seria, dentro desse limite, horário regular ou trabalho extraordinário.

“A intenção é justamente permitir acordos coletivos com jornadas longas, de 10, 12 ou até 14 horas num dia, sem o pagamento de horas extras”, avalia Valdete Severo, juíza do Trabalho no Rio Grande do Sul.

Na ponta do lápis, o prejuízo ao trabalhador pode ser grande. Alguém que ganha dois salários mínimos, R$ 1.874,00, pode perder cerca de R$ 366,28 por mês – o equivalente a 20% da renda. Isso aconteceria no caso desse funcionário trabalhar todas as 220 horas mensais previstas na proposta, o que soma 2.640 horas ao ano. De acordo com as regras atuais, ao menos 344 horas na jornada anual desse funcionário seriam horas extras.

Leia mais:
Como a reforma trabalhista pode aumentar a sua carga horária
“Negociado sobre legislado” pode reduzir salários e estimular corrupçãoComo equilibrar as contas da Previdência sem cortar aposentadorias
STF toma a frente do debate trabalhista e pode liberar a terceirização
5 provas de que a lei trabalhista já mudou, mas você nem percebeuA reforma trabalhista pode acontecer a qualquer momento

Esta é, na verdade, uma estimativa conservadora. As perdas do trabalhador seriam ainda maiores se levássemos em conta os feriados e os casos de trabalho aos domingos, quando as horas extras precisam ser pagas com 100% de acréscimo.

Menos que o salário mínimo

Outra mudança importante será na remuneração por produtividade, que passa a ficar sujeita aos arranjos feitos em acordos e convenções coletivas. O maior receio é que isso desobrigue empregadores a pagar o piso de categorias ou até mesmo o salário mínimo. Para Jorge Ferreira dos Santos Filho, coordenador da Articulação dos Empregados Rurais do Estado de Minas Gerais, esses são problemas que já acontecem na prática no meio rural, mas que são passíveis de punição pela justiça.

A reforma pode desobriar empregadores a pagar o piso de categorias ou até mesmo o salário mínimo

Um exemplo é a colheita do café. Trabalhadores recebiam menos do que o salário mínimo em ao menos metade de 30 cafezais inspecionados pelo Ministério Público do Trabalho na região sul da Bahia entre maio e agosto de 2016. Segundo o procurador Ilan Fonseca, que coordenou as ações, a remuneração da lata – medida de aproximadamente 60 litros onde os empregados colocam o café colhido – gira em torno de R$ 2 a R$ 4, dependendo do local. “Muitos, especialmente os mais idosos, não conseguem receber mais do que R$ 500 ou R$ 600”, relatou o procurador.

Esta reportagem foi realizada com o apoio da DGB Bildungswerk.

domingo, 12 de fevereiro de 2017

Janio de Freitas: Não há panelaços e bonecos infláveis para os acusados do governo Temer

Não há panelaços e bonecos infláveis para os acusados do governo Temer

Janio de Freitas - Folha de São Paulo - 12/02/2017


Charge Osmani Simanca
Agora ficou mais fácil compreender o que se tem passado no Brasil. O poder pós-impeachment compôs-se de sócios-atletas da Lava Jato e, no entanto, não há panelaço para o despejo de Moreira Franco, ou de qualquer outro da facção, como nem sequer houve para Geddel Vieira Lima. Não há panelaços nem bonecos inflados com roupa de presidiário.

Logo, onde não há trabalhador, desempregado, perdedor da moradia adquirida na anulada ascensão, também não há motivo para insatisfações com a natureza imoral do governo. Os que bancaram o impeachment desfrutam a devolução do poder aos seus servidores. Os operadores políticos do impeachment desfrutam do poder, sem se importar com o rodízio forçado, que não afeta a natureza do governo.

Derrubar uma Presidência legítima e uma presidente honesta, para retirar do poder toda aspiração de menor injustiça social e de soberania nacional, tinha como corolário pretendido a entrega do Poder aos que o receberam em maioria, os geddeis e moreiras, os cunhas, os calheiros, os jucás, nos seus diferentes graus e especialidades.

Como disse Aécio Neves a meio da semana, em sua condição de presidente do PSDB e de integrante das duas bandas de beneficiários do impeachment: “Nosso alinhamento com o governo é para o bem ou para o mal”. Não faz diferença como o governo é e o que dele seja feito. Se é para o mal, também está cumprindo o papel a que estava destinado pela finalidade complementar da derrubada de uma Presidência legítima e de uma presidente honesta.

Não há panelaço, nem boneco com uniforme de presidiário. Também, não precisa. Terno e gravata não disfarçam.
(...)

POLÍTICA, SIM
Ficou comprovado que a Lava Jato e mesmo o seu juiz programavam vazamentos nas vésperas dos dias importantes na campanha contra Dilma e Lula. Só por "interesse político" – evidência que ninguém na Lava Jato tem condições honestas de negar.
(...) 

Artigo completo no link 

sábado, 11 de fevereiro de 2017

"(...) a “elite” (aspas) brasileira comete suicídio: não bastasse estampar a iniquidade dessas instituições que ela, historicamente, impôs ao país, a classe dominante, ao predar a classe média, bota a perder os alicerces que (também historicamente) lhe dão sustentação."

A elite brasileira suicida-se

Por Ruben Bauer Naveira - GGN - 07/02/2017

​“Nós vamos, um dia, amadurecer como povo e realizar nossa potencialidade. E vamos então varrer a canalha” (Darcy Ribeiro)

Essa frase curta, “a elite brasileira suicida-se”, contém dois erros.

Primeiro: jamais houve elite neste país. O que temos aqui não passa de uma classe dominante que, por preguiça intelectual, volta e meia é chamada de elite – conceito que, em qualquer país, diz respeito a um extrato social que avoca para si a responsabilidade de traçar o destino da sua nação e fazê-lo cumprir. Nunca houve nada assim no Brasil, lugar em que os horizontes da classe dominante não passam da acumulação predatória e do consumo ostentatório.

Segundo: no curto prazo, a classe dominante não corre risco de morte. Não há então nenhum suicídio iminente. Será, porém, no médio-longo prazo, que a classe dominante brasileira acabará por perceber, da pior maneira possível, que terá sido a sua própria natureza que lhe terá conduzido a seu fim.

Darcy Ribeiro sonhou com um povo que, por tomada de consciência, completava o seu processo de formação. O que ele não podia imaginar era que tal salto seria induzido de forma tão paradoxal, pela inconsequência da própria classe dominante. Mesmo que ainda demore muitos anos, o ponto-de-não-retorno foi ultrapassado, é então questão de tempo.

Antes de mais nada, nenhum país vive sem instituições, e as nossas se inviabilizam a olhos vistos. Instituições que, historicamente, foram construídas segundo os interesses da classe dominante: Charles Darwin, em sua estada no Brasil em 1832, registrou, repugnado, que “não importa a monta das acusações que possam pesar contra um homem de posses, é certo que em pouco tempo ele estará livre”.

Para que servem as instituições?

Ao menos a título formal, instituições existem para servir à sociedade e para edificar o futuro da nação. Como foi dito, no Brasil isso jamais aconteceu (como poderia, se não temos elite?) mas, pelo menos, ainda se guardavam as aparências. Agora, esfrega-se na cara da sociedade que as instituições existem tão somente para servir a si próprias.

Nossas instituições funcionam normalmente. Elas cumprem seus ritos e protocolos, executam seus orçamentos, nelas se tomam decisões e se definem políticas públicas. Mas, perante a sociedade, instituições vivem de veracidade ou, ao menos, de verossimilhança. Instituições até podem servir a si próprias enquanto fingem que servem ao bem comum, mas não podem simplesmente se cansar de fingir e estampar perante a sociedade uma realidade que ela preferiria não conhecer. Desencanto é sem volta.

As instituições brasileiras têm funcionalidade, o que elas não têm é sentido.

Para que se cumpra a antevisão de Darcy, o mais difícil já aconteceu. Graças à insegurança, cegueira, afobamento, inconsequência e ganância sem freios da classe dominante (mais uma vez passando recibo de não ser merecedora de ser vista como elite), o conjunto da sociedade vai se dando conta que essas instituições são imprestáveis, e terão que ser transmutadas.

Falta ainda algo já não tão difícil, na medida em que depende de nós: a unificação da sociedade em torno de um projeto para essa transmutação.

Ora, o atributo número um para tal projeto será sua qualidade de, justamente, unificar a sociedade. Terá que ser este o ponto de partida para a concepção do projeto.

O propósito deste artigo é apresentar três propostas concretas nesse sentido, respectivamente formuladas em torno dos conceitos de Constituinte dos Cidadãos, de Grupos de Diálogo e de Democracia Direta, as quais serão descritas ao final do texto.

A paixão não-correspondida da classe média pela classe dominante

Previsivelmente, a classe dominante lança mão do expediente clássico de dividir para governar. Por via da manipulação, ela atiçou preconceitos latentes da dita classe média, com duplo propósito: jogá-la contra as classes desfavorecidas e contra quem governasse em favor destas; e alinhá-la aos seus interesses, ainda que contrários aos dela própria.

(Nota: este processo se encontra descrito em profundidade no recente livro de Jessé de Souza, A Radiografia do Golpe: Entenda como e porque você foi enganado. Para uma introdução ao argumento de Jessé, ver https://www.facebook.com/souza.jesse225/posts/10203070013027649).

Muito simplificadamente, a classe média, desde sempre inconformada com os privilégios dos “de cima” (em especial o privilégio de fazer leis para serem cumpridas por todos, menos eles próprios), privilégios que ela condena da boca para fora mas que intimamente inveja e anseia para si, ficou ainda mais desconfortável a partir do momento em que os “de baixo” passaram também a contar com acesso, por mínimo que fosse, à Terra Prometida (leia-se, aos recursos do Estado). “Todo mundo mama, menos eu!”, foi como ela sentiu.

A classe média é hoje, possivelmente, a mais numerosa no país:

- a classe E são os miseráveis;

- a classe D são os pobres;

- a classe C é a classe média baixa;

- a classe B é a classe “média-média”;

- a classe A é a classe média alta.

Nenhuma dessas é classe dominante.

domingo, 29 de janeiro de 2017

Lula fez Hospital "de bacana" a atender pelo SUS. Seis hospitais filantrópicos, "chiques", da rede particular formalizaram em 2008 uma rede de apoio aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

D. Marisa não está no SUS, mas Lula fez Sírio Libanês atender o SUS
Por Eduardo Guimarães - Blog da Cidadania - 28/01/207

Na semana que finda, os que ainda conservam a humanidade em um país que está se tornando desumano sofreram um duro golpe. A esposa do ex-presidente Lula sofreu um Acidente Vascular Cerebral (AVC) hemorrágico, o tipo mais grave. A partir dali, seguiu-se uma tempestade de selvageria, desumanidade, ódio e maldade que agride as pessoas decentes.

De alguns anos para cá, o ex-presidente Lula e a ex-presidente Dilma Rousseff tiveram cânceres e, agora, a esposa do ex-presidente, dona Marisa Letícia, foi vitimada pelo AVC. Nem Lula nem Dilma fundaram o SUS nem tampouco são responsáveis pelos problemas de atendimento que possa haver na rede pública de saúde brasileira, mas ao adoecerem com tanta gravidade receberam ataques que nenhum outro presidente recebeu ao adoecer e ter que se tratar em hospitais.

Por exemplo: ano passado, em julho, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso descobriu que tinha um problema cardíaco e teria que usar um marca-passo. Foi internado no Hospital do Coração, em São Paulo, para realizar o procedimento. Nenhum dos subumanos que atacaram Lula, Dilma e dona Marisa exigiram que ele se tratasse no SUS. Por quê?

Se o fato de ser presidente de um país em que o sistema público de saúde tem falhas obriga esse presidente, durante ou após o mandato, a usar esse sistema em caso de doença, isso não deveria valer para todos os presidentes e ex-presidentes? Por que só ex-presidentes petistas são cobrados dessa forma?

As ponderações acima são apenas exercício de retórica porque todos sabem que o intuito de pessoas como as duas mulheres na foto acima e da horda de monstros que infecta a internet não decorre de questões de interesse público, mas de perversidade, de gana de fazer sofrer quem pensa diferente.

O SUS melhorou muito durante os governos do PT. Foi criado o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) em 2003, as UPA’s (Unidades de Pronto Atendimento 24 horas), o programa Mais Médicos, que garantiu a vinda de 14.462 médicos estrangeiros para cobrir o déficit de profissionais em localidades mais isoladas e pobres nas quais a população nunca tinha tido médico. Mas essa não é a questão.

Nenhum presidente da República é responsável sozinho pelo SUS. Os governos estaduais e municipais também têm responsabilidade. E todos sabem que nenhum governador ou prefeito que não seja do PT é cobrado pela saúde pública por gente como essa que agrediu dona Marisa no momento mais terrível de sua vida.

Essa gente diz ter religião, em geral uma religião que prega amor ao próximo, perdão, generosidade… Eis por que religião não diz nada, não serve para aquilo que deveria, ou seja, tornar as pessoas melhores. Há muito ateu que segue muito mais os preceitos do cristianismo que esses ratos de igreja que cometem atos desalmados como as duas mulheres da foto no alto da página.

Mas o que é mais irônico nem é isso. Dona Marisa está sendo agredida por estar em um hospital dito “VIP” como ocorre com qualquer pessoa da família de um político importante, mas foi graças ao marido dela que não apenas o SUS melhorou muito como muitas pessoas humildes, que se tratam no SUS, tiveram acesso a esse tipo de hospital “classe A”.

Sim, é isso mesmo. Lula foi o primeiro presidente a fazer com que os hospitais “chiques” atendessem o SUS.

O Ambulatório de Filantropia do Hospital Sírio-Libanês (HSL) completou em outubro do ano passado dez anos de atendimento a pacientes com câncer de mama referenciadas pelo Sistema Único de Saúde.

A partir de 2005, o Núcleo de Mastologia do Sírio Libanês realizou 2.371 cirurgias plásticas e, em pelo menos mil destes casos, também foram feitas reconstruções e simetrização das mamas, durante o mesmo procedimento cirúrgico da mastectomia.

Mas não é só. A obra de Lula para dar oportunidade a pacientes do SUS para tratamento em hospitais “de bacana” foi muito mais longe.

Seis hospitais filantrópicos da rede particular formalizaram em 2008 uma rede de apoio aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). A partir de 2009, hospitais como Albert Einstein, Sírio Libanês, Oswaldo Cruz e Samaritano, que estão entre os mais caros de São Paulo, começaram a garantir o atendimento da população carente em suas unidades em troca de isenção de tributos federais.

Em 2009, Lula assinou a Medida Provisória 446, que regulamentou o apoio de hospitais classificados como filantrópicos aos hospitais do Sistema Único de Saúde. Seis instituições firmaram o acordo e apresentaram por escrito suas propostas de melhorias para a rede SUS

Sírio-Libanês, Albert Einstein, Oswaldo Cruz, Hospital do Coração (HCor), Samaritano e Moinhos de Vento deixaram de recolher quase R$ 1 bilhão de encargos trabalhistas. Em troca, realizaram cerca mais de uma centena de projetos de apoio ao Sistema Único de Saúde (SUS). Alguns deles, afirmam especialistas, supriram carências importantes da rede pública.

Nunca antes na história deste país um presidente da República melhorou tanto o SUS quanto o presidente Lula, com medidas como a supra descrita e outras tão importantes quanto, como o Programa Mais Médicos, que permitiu que milhões de brasileiros se consultassem com um médico pela primeira vez na vida. E justamente esse presidente é atacado dessa forma.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Bomba! Temer nomeia a si mesmo para o STF e declara vaga a Presidência da República

Bomba! Temer nomeia a si mesmo para o STF e declara vaga a Presidência da República 

Num golpe de mesóclise, diante de uma lista quadrúplice, elaborada pelo QG da Revolução de 16, Temer entende que é o escolhido pela forças revolucionárias para ocupar a vaga de de Ministro do STF. 

Da Redação - Causa-me Espécie - 25/01/2017


VERBA VOLANT, SCRIPTA MANENT
Segundo fontes palacianas, Temer decidiu após receber uma cartinha encaminhada pelos apoiadores e patrocinadores da Revolução de 16. Ao abri-la, deparou-se com uma lista codificada com as iniciais dos candidatos: SM, JP, AM e MT

Michel não teve dificuldades em decifrar os três primeiros. Restando uma pitada de dúvida quanto ao último, o MT. 

Temer ficou compelido a escolher, sem mesmo ligar para a Globo e GM, entre SM e JP, dois nomes que o ajudaram chegar aonde chegou. Convenhamos!

SM, se for quem eu estou pensando, não aceitará, pois terá redução de salário. Ministro do STF não dá para ganhar acima do teto constitucional e ficar viajando para os EUA para dar palestra, sem chamar atenção. Riscá-lo-ei! 

JP, embora qualificadíssima para o cargo, já está desempenhando um grande papel voluntário para a prefeitura de um aliado, fiscalizando banheiros públicos na sua cidade. Temer riscou seu nome, após um assessor lhe mostrar reportagem em que JP, de posse de uma toga preta, estava já se achando ministra, após ser vista no RH do STF. Demodê! 

AM, se for quem penso ser, desempenha um grande papel no governo revolucionário, controlando facções, e tem uma grande missão: eliminar a maconha da América do Sul. Ele tem cara de policial, não de ministro do STF. Sem perfil. Risca! 

MT, seria Marcela Temer? Embora uma grande advogada, com um currículo espetacular e todas as credenciais para o cargo, inclusive para assumir a relatoria da Lava Jato, lembrou que sua esposa ainda não tinha a carterinha da OAB. Lamentável. Risca! 

EUREKA
Em uma de suas aulas em escolas ocupadas contra a reforma do ensino médio, na cidade-satélite de Brasília, quando lia o poema A CARTA do seu best-seller: Anônima Intimidade, o presidente teve um epifania, esbugalhando os olhos diante da estrofe:
Leu. Releu.
Não entendeu.
Mas compreendeu
Só pra dizer
"Adeus".
Se MT não é Marcela, nem Michelzinhho, nem Michel Teló, só pode ser eu mesmo! Como não pensei nisto antes? Sou um grande constitucionalista, autor de vários livros.

Inelegível por 8 anos, pela ficha-suja no TRE-SP, com a popularidade sabe-se lá onde, Temer vislumbrou ser este o melhor fim para sua carreira política. 

E ainda entre devaneios, concluiu que assim estaria matando vários coelhos com uma única cajadada: 
- Poderei ser o relator da Lava Jato, se a Cármen e a Globo deixarem. Ninguém melhor que euzinho para esclarecer alguns mal-entendidos em relação a mim, meus ministros, aos meus aliados demo-tucanos-revolucionários: 
"Santo", "Careca", "Primo", "Angorá", "Caju", "Babel", "Botafogo", "Todo Feio", "Índio", "Justiça", "Gripado", "Kimono", "Kafta", "Mineirinho", "Caranguejo", "MT", etc. 
- Com popularidade no pré-sal, serei coerente com o que disse: é difícil Dilma resistir até o fim do mandato com popularidade baixa.
- Temer, fora, fica vaga a cadeira de Presidente para uma eleição indireta? Ou quem assume é o Mineirinho? 
- Motivo Marcela a passar na prova da OAB, preparando-se para ser uma futura Ministra do STF. Quiçá, indicada pelo meu sucessor. 
- Tornar-me-ei uma grande inspiração para que Michelzinho, ao me ver naquela toga preta, siga a carreira dos pais, almejando ser um dia ministro do STF. 

P.S. Segundo uma fonte anônima, Michelzinho e "Jucazinha", além de banco imobiliário, brincam de juiz com os coleguinhas na hora do recreio, fantasiados de toguinha que ganharam no Natal.

FORA TEMER
Em cadeia nacional, Temer nomeou a si mesmo ministro do STF e sentenciou: “Assim sendo, declaro vaga a Presidência da República.”

domingo, 8 de janeiro de 2017

PCP: Primeiro Comando Plutocrata, a pior facção de todas. No passado usou tanques para golpe. Agora usa Parlamento e o Judiciário.

A pior facção de todas não aparece na mídia, mas você é prisioneiro dela.

Por : Paulo Nogueira - Diário do Centro do Mundo - 08/01/2017


E então, de tanto ler, falar e ouvir sobre prisões, me ocorreu o seguinte.

Vivemos numa realidade virtual e, na verdade, somos todos prisioneiros de uma facção chamada PCP: Primeiro Comando Plutocrata.

“Nós somos o 1%”, é o lema do PCP. “Os demais 99% que se danem.”

O PCP detesta pobres, negros, homossexuais e minorias de uma forma geral.

Existe uma exceção no capítulo dos homossexuais. Gays podem ser aceitos na facção, e até fazer carreira nela, desde que permaneçam no armário e, principalmente, tenham dinheiro.

O PCP adapta-se aos tempos e às circunstâncias. No passado, usou tanques para dar golpes. Agora, utiliza o Parlamento e o Judiciário.

A retórica é sempre a mesma: não é golpe.

Milhões de votos estão sendo destruídos? Sim.

Os interesses do 1% privilegiado falam muito mais alto que os dos demais 99%? Sim.

Mesmo assim: não é golpe, garante o PCP.

Para tentar manter quietos e dóceis os 99% da população que pagam a conta das de suas mamatas e privilégios, o PCP tem uma arma que até aqui jamais falhou: a mídia.

Os jornais dizem que o golpe não é golpe. As revistas repetem. As rádios repercutem. Os telejornais amplificam tudo com o barulho de um concerto de rock.

Pronto: o golpe deixou de ser golpe.

O Primeiro Comando Plutocrata sempre recorreu à mídia para convencer seus prisioneiros de que corruptos são os outros.

Todos os outros, sobretudo aqueles que não se conformam com o sistema de partilha de riquezas adotado pela facção.

Convém, a quem pertence aos 99%, não sair por aí criticando o contraste entre a riqueza opulenta de tão poucos e a pobreza miserável de tantos.

Os cães selvagens da facção — colunistas e comentaristas das grandes empresas jornalísticas — serão atiçados contra os que ousem se rebelar.

O PCP, com sua mídia para a qual a verdade é uma mera abstração, tem o poder de fazer surgir no imaginário coletivo um apartamento que simplesmente não existe. Ou um sítio. E depois dirá que ambos, sítio e apartamento, foram roubados por aquele homem em quem os pobres acreditam. Aquele ali, o de barba.

E assim a vida segue nos domínios do Primeiro Comando Plutocrata, do qual somos todos prisioneiros.

Perto do PCP são irrelevantes todas as facções que ocupam as primeiras páginas nestes dias.

Todas.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Dez medidas em defesa da democracia e do Estado de Direito, apoie essa ideia!

AS 10 MEDIDAS EM DEFESA DA DEMOCRACIA E DO ESTADO DE DIREITO

Por Mauro Santayana - 14/12/2016
Charge Latuff para o DCM

Nos últimos dias, ocorreu-me indagar para os meus zíperes, como faria, estupefato, qualquer observador externo - o ET de Varginha, por exemplo, se estivesse em órbita estacionária sobre esta nossa pobre República - por que as bandeiras estão quase todas nas mãos dos midiotas e a perplexidade, a descoordenação e o despreparo nas mãos vazias, balançantes - infiltrados e provocadores não valem - daqueles que deveriam estar defendendo a Liberdade e a Democracia.

Se em política, como na Física, como reza a Terceira Lei de Newton, a toda reação, em forma de força, de um corpo sobre o outro, corresponde - ou deveria corresponder - uma força ou reação contrária e equivalente, por que ninguém lançou, até agora, um movimento das urgentes, e necessárias, 10 MEDIDAS EM DEFESA DA DEMOCRACIA E DO ESTADO DE DIREITO?

Ao contrário da outra lista, supostamente voltada para o combate à corrupção, esta não seria, em princípio, intocável, mas aberta a sugestões, desde que elas não colidissem nem fugissem ao espírito da iniciativa, como é o caso de algumas propostas que já estão sendo discutidas no Congresso.

Se alguém - como organizações empresariais, partidos, advogados, magistrados - por que não ? - e defensores públicos - viesse a apoiá-la, poderia organizar-se um processo nacional de coleta de assinaturas, para provar que não existe, neste país, unanimidade sobre certos temas, e que se existisse tal unanimidade, ela seria, como reza a frase atribuída a Nelson Rodrigues, burra, e - acrescentaríamos - fascista, por princípio.

Afinal, não é possível - mesmo que apenas para os observadores - nem salutar, nem compreensível, que se siga aceitando passivamente a hipócrita manipulação maniqueísta que apresenta os defensores da limitação da Liberdade como heróis, e como bandidos, ou cúmplices de bandidos, aqueles que estão preocupados com o futuro do Estado de Direito e da Democracia.

E qual seria o teor dessas dez medidas (que poderiam eventualmente ser 12, 13 ou 15 ?)
Ora, apenas como mero observador (leigo, ainda por cima) ouso citar alguns pontos:

1 - Estabelecer limites claros para a prisão temporária.

2 - Proibir a "negociação" de acordos de delação "voluntária" com cidadãos que estejam sob custódia da justiça.

3 - Estabelecer a possibilidade de processo de magistrados e procuradores por crime de abuso de autoridade.

4 - Punir severamente o vazamento de informações sobre inquéritos e processos por parte de juízes, procuradores e policiais, antes que estes tenham transitado em julgado.

5 - Punir severamente manifestações e juízo de valor, a não ser nos autos, por parte de magistrados sobre o processo, réus, suspeitos ou acusados.

6 - Proibir a decretação de condução coercitiva a não ser que o suspeito, réu ou testemunha tenha sido intimado antes e se recusado a comparecer.

7 - Proibir a paralisação de obras e projetos, principalmente de caráter estratégico para a defesa, infraestrutura ou o desenvolvimento nacional, que estejam em andamento, para não acarretar maiores prejuízos, como sucateamento e aumento de custos para o erário e graves perdas para a população.

A Justiça deverá, nesses casos , se houver suspeita de irregularidades, designar fiscais e interventores especializados em cada tipo de obra.

8 - Multas e eventuais bloqueios de contas de empresas não poderão passar de 10% do valor dos ativos, ou do faturamento líquido anual da empresa, para evitar a demissão de milhares de trabalhadores e a falência de investidores, acionistas e fornecedores.

9 - Ninguém poderá ser preso provisoriamente sem razão fundada e devidamente fundamentada, ou sem a apresentação, pela acusação, de provas materiais cabíveis que a justifiquem, na ausência de flagrante delito.

10 - Ninguém poderá ser pressionado a fazer delações supostamente "voluntárias" ou ter seu testemunho "dirigido" para obter o rumo que quiserem seus interrogadores.

Nesse sentido será facultado à defesa o direito de registrar, por áudio ou vídeo, ou ambos os meios, todos os encontros, reuniões e contatos entre a acusação e seu cliente, preservando-se o segredo de justiça, para subsidiar e documentar o seu trabalho.